2013 em notícia: Segurança e Privacidade Online

Segurança online e privacidade foram temas quentes em 2013. Escândalos, ataques hackers em grande escala e as vulnerabilidades de sistemas foram a ordem do dia (ou do ano). Mas… quais foi a notícia mais importante quando se trata de software e questões online? O Softonic explica para você.

MEGA

No início de janeiro, Kim Dotcom lançou o MEGA, seu novo serviço de armazenamento na nuvem. O serviço foi anunciado como uma promessa revolucionária no campo da privacidade, mas logo após o lançamento surgiram boatos sobre problemas com senhas. Depois de várias respostas defensivas do Kim Dotcom, o desenvolvedor encerrou a discussão sobre a privacidade online. Além disso, encorajou os usuários a definirem senhas fortes para suas contas de forma a protegê-las corretamente.

Passwords need to be secure

Verificação em dois passos

2013 viu a transição da senha padrão para a verificação em duas etapas. Empresas como Facebook, Twitter, Dropbox, Google e Microsoft mudaram para o novo sistema, no qual os usuários devem usar a senha e um código de verificação para acessar serviços online. O passo extra de sergurança visa garantir que os hackers terão mais dificuldade para ter acesso às informações pessoais. Infelizmente, o método não é 100% livre de falhas: a empresa especializada em segurança online F-Secure informou que era fácil hackear a autenticação de login do Twitter.

iOS

O sistema operacional móvel da Apple também experimentou falhas de segurança em 2013. A atualização para o iOS 6.1.2 foi lançada para consertar problemas da bateria evidentes na versão anterior, mas se mostrou extremamente sensível a hackers da tela de bloqueio. O fato, entretanto, não fez a Apple se segurar. Algum tempo depois, a empresa lançou o iOS 7, um sistema operacional completamente novo mas com diversos problemas de segurança, incluindo uma falha que permitia acessar fotos, e-mails e até o Twitter em dispositivos bloqueados. Mais tarde, foi descoberto que era possível usar um cartão de crédito cadastrado sem digitar a senha – o que permitir aos invasores fazer compras sem dificuldade.

Adobe

A gigante do software Adobe teve um ano difícil. No início de outubro, a empresa anunciou que os dados de contas de 2,9 milhões de usuários haviam sido hackeados num ataque cibernético de proporções gigantescas. A Adobe afirmou que fez todo o possível para proteger as contas. Os usuários que tiveram seus dados roubados foram avisados e os detalhes de pagamento, criptografados.

Hacking problems for Adobe

Entretanto, no mesmo mês saiu à luz a informação de que o número de perfis hackeados havia sido muito maior: 38 milhões de contas da Adobe parecem ter sido afetadas pelo ataque. A notícia foi revelada pelo AnonNews.org, que teve acesso ao arquivo original com todos os dados. O serviço de informação do Anonymous também reportou que mais de 150 milhões de senhas foram roubadas. Pouco tempo depois, como forma de atrair de volta os usuários, dois programas bastante populares da Adobe, o Lightroom e o Photoshop 5 foram oferecidos com descontos.

NSA e PRISM

Por último – mas certamente não menos importante -, 2013 viu o escândalo que deixou o mundo online em polvorosa: os arquivos do PRISM que vazaram na web pelas mãos do denunciante Edward Snowden.

A percepção mundial sobre privacidade online mudou radicalmente da noite para o dia. A internet deixou de ser um lugar onde você podia exibir suas informações sem grandes preocupações. Em junho de 2013, foi revelado que o governo dos Estados Unidos tinha acesso a (quase) tudo. Suas contas do Facebook, Google, Microsoft, Apple e muitas outras se tornaram subitamente de domínio público. Os arquivos publicados pelo Snowden mostraram que o monitoramento não se limitava a suspeitos de terrorismo.

A Agência de Segurança Nacional (NSA) teve acesso a uma enorme proporção de bancos de dados na internet – voluntaria e involuntariamente. Tudo começou com o rumor de que o governo teve acesso a determinados servidores, mas rapidamente novas informações foram reveladas. A NSA não vasculhou informações apenas sobre usuário do Google e da Microsoft. O cão de guarda norte-americano estava espionando até mesmo os mundos virtuais do World of Warcraft e do Second Life.

Even gamers aren't safe

Uma série de empresa de internet entraram na luta por uma nova lei de internet na qual os usuários devem ter mais detalhes sobre o que é feito com as informações coletadas sobre eles. Todo esse tumulto levou a um questionamento: será tarde demais para a privacidade online?

2013 foi um ano turbulento na área da segurança online e de software. Muitos ataques de grandes proporções a empresas renomadas como Microsoft, Adobe e Twitter transmitiu aos usuários a sensação de que até mesmo os programas mais usados e confiáveis não são mais seguros. As revelações feitas pelo Edward Snowden sobre a espionagem da NSA de indivíduos comuns serviu apenas para reforçar essa ideia de insegurança. Serviços como o DuckDuckGo, um navegador anônimo, e o Dark Mail, um serviço de e-mail encriptado, agora parecem mais importante do que nunca para as pessoas que querem ter um pouco de privacidade online.

O que queremos saber é o que 2014 terá para nos oferecer na área de privacidade e segurança digital! O Softonic estará de olho e manterá a todos informados durante todo o ano que vem também.

[Artigo original em holandês, escrito por Sophie Notten]

Carregando comentários