McAfee muda para Intel Security: os antivírus do futuro estão perto

Agora McAfee é Intel Security: 28 anos de marca desapareceram, mas o mítico escudo vermelho, não. Talvez a tecnologia do antivírus retorne para iniciar uma nova era de segurança.

Os produtos da McAfee continuarão existindo por um tempo, mas debaixo do nome da Intel. É uma mudança que levará pelo menos um ano. Os produtos para Android da McAfee têm se saído melhor, mas serão justamente eles que a Intel transformará em gratuitos, segundo declarações de Brian Krzanich, CEO da Intel, que revelou todas essas notícias na CES 2014.

Quando a Intel comprou a McAfee em 2010, era claro que não havia adquirido apenas um nome de prestígio, mas também tinha adquirido um produto em decadência. Sob a nova liderança, o antivírus continuou com a mesma interface e com a mesma tecnologia. Os dados de eficiência e rendimento mais recentes não deixaram a McAfee em boa posição. Na última rodada de testes no Virus Bulletin, McAfee não esteve presente, o que nós levou a excluí-lo da nossa comparação de antivírus 2014, uma ausência perceptível para muitos.

Um nome – e um homem – caídos em desgraça

Os problemas de John McAfee com a justiça e a imprensa contribuíram para piorar a situação da marca. Em Novembro de 2012, McAfee, que estava fora da companhia desde 1994, foi investigado por assassinato em Belize. Depois de uma passagem bizarra em Guatemala, foi extraditado para os Estados Unidos. Desde então, não tem parado de publicar vídeos virais atacando a companhia que criou nos anos oitenta.

O polêmico vídeo viral “Como desinstalar o McAfee Antivirus“, publicado em 2013

Tanta publicidade negativa levou a Intel considerar o fim da marca. Numa entrevista recente, Penny Baldwin, presidente de marketing da McAfee, afirmou que a Intel seguiu de perto as ações de John McAfee, mas que eles não tinham condicionado isso ao encerramento da marca. Também mencionaram que o logo original tinha mais protagonismo que o nome. Como foi revelado mais tarde pelo CEO da Intel, Brian Krzanich, o nome desapareceu; o escudo ficou.

McAfee desapareceu, mas voltará… em um chip?

McAfee é um nome que associamos aos antivírus desde os tempos primórdios da computação. Na era do Windows 95, VirusScan foi o primeiro scanner para muitos de nós. O surgimento de antivírus gratuitos, contudo, fez o McAfee perder popularidade e se concentrar cada vez mais no mercado corporativo, com produtos interessantes, mas pouco inovadores para os usuários, que se reclamavam do consumo excessivo de recursos e da usabilidade medíocre.

Depois de quatro anos da Intel comprar o o McAfee, vemos o primeiro movimento sério da empresa de processadores, um prelúdio para mudanças mais profundas. É de conhecimento geral que o futuro dos antivírus passam pela integração cada vez mais estreita entre o hardware dos aparelhos e o software, uma aliança que aumentará o nível de segurança para um nível nunca visto antes, sobretudo para conter ameaças de “dia-zero“.

As vantagens de um antivírus híbrido são evidentes. Ao integrar mecanismos de segurança diretamente no hardware, os sistemas detectariam e deteriam as ameaças com mais velocidade e eficiência, sem consumir tantos recursos. O núcleo do antivírus não poderia ser atacado e seu processamentos não dependeria do sistema operacional, embora possa ser controlado por um programa instalado no computador.

A patente para criar um antivírus baseado em hardware já existe e é da Kaspersky (fonte)

Um antivírus da Intel baseado em hardware já tem previsão e poder de fogo suficiente para desbancar outros produtos com facilidade. Se conseguir superar a dura concorrência e os planos do Google e Microsoft, que têm integrado segurança nos seus produtos mais usados (Chrome e Windows), o novo McAfee-Intel pode ser o primeiro antivírus da próxima geração. A menos, claro, que a Intel prefira deixar o McAfee morrer lentamente.

Qual é sua opinião sobre o movimento da Intel?

Matérias relacionadas:

[Artigo original em espanhol]

Carregando comentários