Aplicativos de fitness e rastreamento de localização: riscos ou recompensa?

Uso o Moves diariamente. O aplicativo para iOSAndroid que monitora seus movimentos a pé, de bicicleta e em transportes público ou privado tem sido um elemento básico do meu iPhone desde que fiz o download do app, há mais ou menos um ano. Outro dia, analisando minhas estatísticas diárias, percebi algo incrivelmente óbvio. O Moves rastreou absolutamente todos os meus movimentos no ano passado.

Moves rastreia todos os meus movimentos

A cor verde indica caminhada e, a cinza, transporte público.

Como tecnologias de vestir (“wearables“) e apps de fitness são cada vez mais uma realidade cotidiana e não apenas uma moda passageira, rastrear localizações e percursos virou um vício natural. Coincidentemente, o escândalo que veio à tona em 2013 sobre a espionagem da Agência Nacional de Segurança dos EUA (“NSA” na sigla em inglês) foi sobre o monitoramento de atividades online e de dispositivos móveis. Apps de localização e fitness, por outro lado, rastreiam suas atividades abertamente, mais especificamente as atividades que você realiza offline.

Neste ponto, é seguro afirmar que nenhum dado está imune à espionagem, e isso me levou a questionar se o rastreamento físico é ou não algo preocupante. Será que os potenciais riscos dos apps de monitoramento de atividades offline pesam mais que seus benefícios? Pensando nisso, decidi olhar para o Moves mais atentamente para entender melhor esse tema.

Monitorando todos os meus movimentos

Dentro dos limites dos dispositivos vestíveis e aplicativos de fitness, o Moves tem uma abordagem informal ao seguimento de atividades físicas e se autoproclama um rastreador de atividades. No conforto do seu bolso, ele usa seu smartphone para fazer o rastreamento, calculando o quanto você se move todos os dias e quantas calorias perde, além de criar um histórico de todas as suas viagens. E é aqui que as coisas ficam um pouco mais complicadas.

Moves calcula passos, distância e calorias

Clique na bolha verde para ver informações sobre passos, distância ou calorias.

As rotas que percorro todos os dias são mapeadas e salvas no próprio app. O trajeto que faço para o trabalho, o tempo que passo no escritório, o bar que costumo frequentar, o momento em que chego em casa – o Moves sabe tudo. Ele me dá a opção de etiquetar os lugares aonde costumo ir. Mas mesmo que sem etiqueta, não seria difícil analisar o histórico da semana passada para ver, por exemplo, que vou a alguns lugares (empresa onde trabalho) todos os dias e aproximadamente na mesma hora.

Moves salva todo o meu histórico

Você pode conferir um resumo do dia com um mapa que contém seu histórico de viagens.

Como o app salva todos os históricos com meus dados, é razoável pensar que essas informações precisam ser armazenadas em algum lugar. As próximas perguntas são: onde esses dados estão sendo armazenados e como são administrados?

Política de privacidade e compartilhamento de dados

Depois de dar uma olhada em sua política de privacidade, conversei com o CEO do Moves, Sampo Karjalainen, para obter mais esclarecimentos sobre como os dados do app são usados.

A política de privacidade do Moves diz que os dados do app são armazenados nos seus servidores por meio de uma conexão segura. Essa conexão monitora os dados individuais do usuário designando um número de identificação (ID) ao seu telefone ou por meio do e-mail (se você escolher este tipo de registro).

Então, ele criptografa os canais de comunicação que transmitem esses dados e se assegura de que essas informações não sejam compartilhadas com terceiros sem o seu consentimento. Apesar de tomar medidas de segurança neste contexto, nada é garantido.

Meu endereço de e-email é vinculado aos meus dados do Moves

Meu endereço de e-mail é vinculado à minha conta do Moves.

De acordo com Karjalainen, quando o assunto é o uso de dados, eles só os utilizam para melhorar o funcionamento do aplicativo. “Desenvolvemos nossos próprios algoritmos para que o app rastreie movimentos de forma precisa, e usamos as informações coletadas e as atividades para torná-los capazes de oferecer um serviço mais pontual.”

Karjalainen diz que é consciente da sensibilidade dos dados coletados pelo Moves, mas avisa que “todas medidas de precaução razoáveis” são tomadas para que o aplicativo seja seguro para o usuário.

Outro app de rastreamento de atividades, o Human, encara seriamente a questão da privacidade. Conversando com o CEO Renato Valdés Olmos, soube que eles tentam manter uma política de privacidade bastante ética e que estão cientes da sensibilidade dos dados administrados.

Dando um passo adiante, o Human coloca seu público no comando. “Pensamos que os usuários devem controlar seus próprios dados; por isso, todas as informações salvas nos nossos servidores são anônimas. Não é possível conectar os dados com usuários individuais, a não ser que eles mesmos solicitem essa informação.”

Assim como o Moves, o Human analisa os dados de localização de seus usuários apenas para fazer melhorias no próprio app.

Menos perigoso que rastrear atividades online

Agora, parece que as pessoas, inclusive eu, estão menos preocupadas com o rastreamento de suas atividades offline do que com o monitoramento de suas atividades online. Por quê? Isso faz sentido se você considera que muita gente tem mais informações pessoais online do que as relacionadas com a localização geográfica, ao menos na teoria. Karjalainen concorda. “Acredito que usar serviços como o Gmail, no qual você realmente tem mais informações privadas e pessoais disponíveis, representa um maior risco.”

Considere o Moves: a única informação que você precisa dar ao app é a sua localização e, apenas se você quiser, seu e-mail. Você não está compartilhando qualquer informação demográfica, detalhes bancários ou mensagens privadas.

Ainda assim, há riscos envolvidos em compartilhar qualquer tipo de informação pessoal usando apenas canais online. É só pensar no fato de que, virtualmente, quaisquer de nossas atividades online ou móveis têm o potencial de ser rastreadas.

Por que apps como o Moves deveriam estar excluídos deste tipo de espionagem? Há grandes chances de que não estejam. Na realidade, a geolocalização é exatamente o tipo de informação que atrairia agências de governo.

Como bem indica Olmos, no entanto, seus dados são tão seguros quanto as empresas que os administram. Apps como Moves e Human levam a sério o tema da privacidade e, como resultado, preocupam menos os usuários.

No fim das contas, parece que o problema se reduz a uma escolha ativa de compartilhar informações. Karjalainen ressalta: “é uma escolha pessoal de quem usa esses apps”, e você não pode ser rastreado com o Moves se não o utilizar. Se alguém está realmente preocupado com o rastreamento, a solução é tão simples como fechar o Moves ou não usá-lo. Assim, o serviço de rastreamento do aplicativo para de funcionar. Na verdade, a NSA não precisa de um app como o Moves para descobrir onde você está.

A recompensa supera o risco

Gosto da possibilidade de ver onde estive e quanto andei, especialmente durante viagens. O que vejo como um perigo mais real do que ser rastreada por uma agência governamental é alguém roubar o meu celular e monitorar minha localização, mas parece que a equipe do Moves está mais propensa a ajudar nestas situações. Karjalainen passou por isso quando a equipe trabalhou com uma vítima de crime e as autoridades do caso para tentar obter uma solução, mesmo que isso não tenha acontecido até agora.

Resumindo, os benefícios de usar o Moves superam de longe qualquer preocupação com segurança que eu tenha.

Moves em Budapeste

Meu recorde de todos os tempos foi caminhar 21,2 km em Budapeste

Olhando para o Moves, o Human ou quaisquer outros apps de fitness, parece que rastrear movimentos e trajetos oferece um valor real aos usuários, maior do que o custo de compartilhar essa informação. O próprio Karjalainen diz que ele não vê problemas nisso porque há mais valor do que riscos no serviço oferecido por esses softwares. Como ele bem aponta, “essas funções de rastreamento são nativas em dispositivos iOS e Android; o Moves apenas aproveita essa característica para torná-la útil e acessível a todos”.

Ainda assim, como alguns apps de fitness recolhem cada vez mais informações pessoais, não machuca exercitar a virtude do bom senso. E como esses apps, assim como os hardwares relacionados, continuam a inundar o mercado, vai ser interessante ver se surgem novas preocupações de privacidade com o tempo.

Artigos relacionados:

[Artigo original em inglês]

Carregando comentários

Últimos artigos